O Coração do Dharma, por Drupon Rinpoche

Drupon Rinpoche

Drupon Rinpoche

No dia 30 de outubro de 2013, Rinpoche deu uma palestra no Samye Dzong de Edimburgo sobre o tópico “O coração do Darma”.
Uma vez que o Samye Dzong é uma filial do Samye Ling, Rinpoche reservou um momento para falar a respeito da grande perda experimentada por todos em razão da passagem de Akong Rinpoche.
Em sua opinião, Akong Rinpoche possuía, em um grau muito elevado, duas qualidades particularmente especiais: uma vasta mente que podia acomodar tudo e um natural e excepcional cuidado com os outros – cuidado que era ainda mais forte do que aquele que os pais e mães têm pelos seus filhos. Drupon Rinpoche explicou que agora que Akong Rinpoche havia passado para o parinirvana, os discípulos precisavam se esforçar para alcançar a atividade, intento, ponto de vista e conduta do mestre. Drupon Rinpoche pediu, do fundo de seu coração, que cultivássemos dentro de nós essa vasta mente que é imparcial em relação ao bem e ao mal e esse grande cuidado com os outros.

Depois desse maravilhoso conselho, Rinpoche abordou o tema de sua palestra. O que é o coração do Darma? Nós todos queremos ficar livres do sofrimento e, para conseguirmos isso, precisamos de prajna, ou sabedoria. Sem a sabedoria, não conseguiremos nos livrar do sofrimento, não seremos capazes de identificar os métodos que erradicam o sofrimento. Desse modo, Rinpoche afirmou que é certo dizer que a sabedoria é a essência do Budismo.
Existem dois tipos de sabedoria: a inata e aquela que é adquirida através de treino. O primeiro tipo de sabedoria, a que nasce com o indivíduo, é extremamente raro. A maioria de nós, seres humanos, precisa fazer um esforço para encaixar-se na segunda categoria de sabedoria. Precisamos estudar as palavras de Buda e os métodos para nos libertarmos do sofrimento. Ter confiança e fé não é o suficiente, não podemos adquirir sabedoria através de uma fé cega. Para o desenvolvimento da sabedoria, o estudo é essencial. Isso significa que precisamos encontrar um bom lama e permanecer ao lado dele por um longo tempo para aprendermos, com ele, a maneira de nos relacionarmos com o Darma. O aprendizado desses métodos permitirá a aquisição de sabedoria.

Para que isso ocorra, é crucial que, desde o começo, você estude com um lama que seja muito bem instruído e experiente no Darma. Quando você está estudando o Darma, está aprendendo uma experiência da mente. Tal experiência não pode ser demonstrada de fora para dentro e é por isso que o lama que você escolheu para ser seu professor deve ter uma grande experiência com o Darma. Caso ele não a tenha, será impossível para ele ajudá-lo a ganhar experiência através de você mesmo. Tentar adquirir experiência a partir de si mesmo é algo que pode levar alguém a uma enorme exaustão.
“Quando começamos a estudar para aumentarmos nossa sabedoria, aprendemos quais são as causas e condições para o sofrimento e para a felicidade. Ao ganharmos conhecimento sobre isso, fica mais fácil eliminar o sofrimento e adquirir felicidade.” – assegurou Rinpoche.

Rinpoche observou que as pessoas que vivem em cidades, pequenas ou grandes, consideram que, assim como ninguém deve se intrometer em suas vidas, elas também não devem se intrometer na vida de ninguém. Essa atitude nos causa muitos problemas; deixa-nos com mente estreita; impede-nos de praticar a tolerância, o que, por sua vez, estimula o aparecimento da raiva. O Darma nos diz que devemos ser pacientes e capazes de suportar as coisas. Não há lugar onde não possamos ver formas, ouvir sons, etc. Em resumo: se não desenvolvermos a tolerância, haverá sempre algo para nos incomodar no mundo. Essa ideia de evitar aborrecimentos torna nossas mentes mais fracas e menos resistentes. Vivendo assim, o sofrimento surge muito facilmente e intensamente. Essa ideia distorcida é a razão para a existência de tantas doenças mentais entre as pessoas que vivem nas cidades.
Rinpoche convidou todos a olharem para o estado de suas próprias mentes. Com que facilidade a sua mente fica tumultuada? Com que facilidade o sofrimento surge dentro da sua mente?
Quais são os métodos que tornam nossas mentes mais expansivas e tolerantes e, consequentemente, menos suscetíveis ao sofrimento? Isso é o que precisamos alcançar. Sentir que podemos lidar com qualquer situação é uma grande qualidade.

Antes de conceder um tempo para perguntas e respostas, Rinpoche fez um rápido sumário dos pontos chaves de sua palestra:
• Se você quer praticar o Darma, estude bastante e aprenda com um lama experiente. Dessa forma, você saberá o que fazer e a sua sabedoria crescerá.
• Nós não gostamos de sofrer. Os melhores métodos para levar embora o nosso sofrimento são aqueles que tornam nossas mentes mais expansivas e capazes de acomodar todas as coisas.
• Se pudermos fazer as coisas que foram ditas aqui, estaremos em um bom caminho em direção à felicidade e ao contentamento.

Original em inglês redigido por Inge Derijck e disponível em: https://www.facebook.com/drupon.rinpoche.7

Nossos agradecimentos à Cláudia Marcanth pela tradução para o português.



Comentários